Gentileza ainda gera gentileza

Tentando observar o mundo até onde a minha vista alcança, percebi que, em vários momentos, me faltou foco para enxergar os detalhes, mesmo aqueles que estavam a poucos palmos do meu nariz. É como se todas as situações estivessem disfarçadas por filtros capazes de alterar totalmente a vida real, transformando coisas que julgava conhecer tão bem, em registros com cores e sombras fora do lugar. Criando, assim, um cenário onde a pressa virou hábito e cuidado virou desdém. Será possível acreditar que gentileza ainda gera gentileza?

As pessoas cruzam a nossa frente o tempo todo, ocupadas com seus celulares, organizando suas vidas, preocupadas com seus horários e com as cobranças diárias que parecem não ter fim. Situações corriqueiras que nos impedem, cada vez mais, de contemplar os encantos do simples. Distanciando, propositalmente, o nosso olhar daquilo que realmente importa, daquilo que de fato, faz diferença.

Caminhamos a passos largos em busca de uma atmosfera autocentrada, onde nada mais importa, a não ser aquilo que queremos. Crianças estabelecem desde muito cedo, suas listas de exigências e são atendidas por seus pais. Adolescentes ditam seus códigos de conduta tiranos e são atendidos. Jovens adultos pegam carona nestas facilidades e tentam criar um ambiente onde todas as suas vontades podem ser realizadas. Ou pelo menos tentam. Mas, chega a hora em que a vida toma as rédeas da situação e se encarrega de mostrar a todos quem manda e quem obedece…

É aí que os conflitos internos se expandem, ganham corpo e rompem barreiras. E, sem saber como controlar essas frustrações, passamos a compartilhar toda a sorte de intolerâncias e preconceitos irrelevantes em sua origem, mas que assumem status de indispensáveis de acordo com a ótica mesquinha da qual fazemos uso com frequência. E assim, criamos uma soma de desvios que deságuam nesse caos em que vivemos, onde ganhar sempre é o que interessa e perder está absolutamente fora de questão.

O que causa espanto nesse panorama, é perceber que estamos, sistematicamente, deixando de lado o interesse, o cuidado e o afeto pelo outro. Esse comportamento quase padronizado, é capaz de promover encontros ou causar afastamentos na mesma medida. Estabelecendo, assim, relações difusas onde nos habituamos a cobrar presença e disponibilidade do outro, mas, em contrapartida, nos limitamos a oferecer, apenas, a melhor das nossas ausências. Essa escassez de cuidados abre espaço para o desaparecimento de um dos nossos hábitos mais adoráveis: a gentileza.

Ser gentil vai muito além das óbvias boas maneiras. Ser gentil é estar disponível para si, para os outros e para todas as situações que a vida oferecer. Mas, parece que a nossa necessidade de atenção sem limites, não deixa muito espaço para que outros, também possam ser agradados. Esse erro de avaliação tem, seguramente, nos tomado experiências preciosas.

Então, o que é preciso ser feito para recuperar as formas daquilo que sempre reconhecemos como nosso? Como fazer para eliminar os filtros que alteram a nossa percepção para que acreditemos que ser egocentrado é melhor que ser coletivo? O que fazer para recuperar pequenos hábitos que mostram que ser gentil nos torna mais fortes e não o contrário? As perguntas são muitas, mas, neste caso, não há uma cartilha a seguir. Basta um sorriso, um olho no olho e um pouco de calma para observar os detalhes que só podem ser vistos a partir do olhar disponível da gentileza.