Futuros possíveis

Muitos são os pontos de encontro que nos unem nesse mundo. Mas nada é tão impressionantemente comum, quanto a nossa capacidade de projetar o aqui e agora, em direção a futuros possíveis, onde, independente da situação que vivemos no presente, temos a certeza que, o que virá, trará alívio para todos os males. Dessa forma, conseguimos ganhar fôlego para suportar tristezas, digerir decepções e reorganizar ideias. Especialmente naqueles momentos em que nada disso parece ter solução.

Saber como será o amanhã é algo que não está ao nosso alcance. Talvez este seja o motivo que nos leve a criação de realidades fantásticas, onde a felicidade é um direito total e irrestrito a todos aqueles que a desejarem. A esperança nos faz acreditar que o amanhã será sempre melhor que o hoje, que não há dor que dure para sempre e que há solução para todos os problemas. Essa capacidade tão própria da nossa natureza, possivelmente é um item que vem de fábrica mas que só o tempo nos ajuda a entender como funciona.

Alguns trazem essa esperança estampada no peito como um grande estandarte, enquanto outros escondem, timidamente, essa habilidade de acreditar na existência de dias melhores. O que não é uma regra, uma vez que todo mundo, em algum momento, já vivenciou tanto explosões de otimismo, quanto o abandono provocado pela desesperança. Experimentar esses extremos é essencial e permite a compreensão sobre quase tudo aquilo que nos cerca e ajuda a demonstrar, inclusive, que a esperança no futuro só é possível a partir do instante em que se entende que, mudanças, nascem a partir de incômodos.

Se puxarmos pela memória, certamente encontraremos momentos onde a única coisa que nos manteve de pé, foi a crença em uma realidade alternativa que nos receberia sem restrições, independente de quem somos ou do que fizemos. Quem nunca se viu soterrado por problemas insolúveis à primeira vista, mas que foram mudando à medida em que acreditamos num futuro próximo, onde tudo aquilo não passaria de lembranças incapazes de nos fazer mal? Sei que não é nada fácil pensar assim, quando estamos no olho do furacão, mas não custa tentar…

Usar a imaginação como arma de sobrevivência em momentos hostis, pode nos ajudar a resolver os vários fracassos que iremos colecionar por aí afora. Corações partidos, por exemplo, são capazes de provocar dores inimagináveis. Mas até isso pode ser amenizado quando acionamos o nosso botão de emergência que, imediatamente, projeta um futuro feliz onde conseguimos, apesar da dor, imaginar como a vida será melhor quando um novo amor chegar. Para toda e qualquer situação ruim, teremos sempre uma maravilhosa chance de nos transportar para onde os problemas são proibidos de entrar. Assim, usando nossa imaginação de forma quase infantil, é possível aliviar o peso de alguns fardos, conseguindo uma carga extra de energia que será capaz de aplacar dores e fortalecer convicções.

É claro que, por vezes, sequer lembraremos de usar essa válvula de escape. Mergulharemos tão intensamente em nossas questões que teremos certeza de que a luz no fim do túnel não passa de uma metáfora vazia. Mas, para nossa sorte, na maioria das vezes, seguiremos em frente, acreditando em um caminho que, sempre que possível, nos levará até onde podemos ser maiores e melhores. Este não é um incentivo a viver na irrealidade e, sim, uma forma de demonstrar que somos, de fato, capazes de vencer dificuldades a partir do instante em que não as levarmos tão a sério.

Problemas são barreiras que se colocam diante de nós para testar nossa capacidade de superá-las. Coisa que fazemos com frequência. Caímos, levantamos e aprendemos muito nesse processo. Mas o que talvez seja a melhor parte disso, apesar das dores e frustrações, é perceber que poderemos contar sempre com a nossa habilidade de criar futuros capazes de salvar o presente.