Dane-se!

O mundo tem se tornado um lugar complicado, para dizer o mínimo. Quantos de nós está realmente interessado com o que se passa à nossa volta? Chegamos a um ponto onde nem as nossas próprias questões chamam a atenção como deveriam. Não estamos indiferentes as questões do outro apenas, nos tornamos negligentes conosco também. Saber mais sobre a dor e a delícia de ser quem somos, tornou-se algo trabalhoso demais. Logo, dane-se o seu problema, não dou conta de mim, imagina de você… Quem nunca ouviu ou pensou algo parecido?

Nestes momentos em que medimos tudo por uma régua muito rasa, ligamos um farol interno que aponta para todos os lados sinalizando, para quem puder enxergar, que estamos nos lixando para toda e qualquer situação que possa, minimamente, trazer algum desgaste. Estamos todos em modo avião. Mantemos os sinais vitais com energia suficiente apenas para seguir em frente e, qualquer coisa que fuja a isso, irá demandar um esforço adicional que não interessa a ninguém.

Apesar das semelhanças, não podemos confundir esse estado de desinteresse coletivo, com apatia. Não é. Estamos, deliberadamente, nos importando menos com o que interessa de fato. Seguimos criando realidades paralelas onde elegemos algo para chamar de nosso e que se dane o mundo. Essa seletividade leviana, cria bolsões recheados de desinteresse, que não exclui apenas os problemas alheios. Fazemos parte desse pacote esquisito na mesma medida.

Valorizamos bobagens e deixamos de olhar com mais cuidado para o que pode nos transformar, melhorar e evoluir. Ignoramos talentos naturais, deixamos de lado novas possibilidades, criamos aversão pela novidade… Por que? A resposta não é tão difícil. Por medo ou preguiça de ter que colocar a mão nessa massa heterogênea e difícil de moldar que, não por acaso, chamamos de vida. Mudar de rota é trabalhoso, e como trabalho é algo fora de questão, é melhor dar de ombros, fazer cara de nada e pensar – dane-se – isso não daria em nada mesmo…

A primeira Lei de Newton nunca fez tanto sentido como agora. Estamos divididos entre corpos que se mantém em movimento, seguindo sabe-se lá para onde, e criaturas que se mantém em um repouso assustador, sem sinais de alteração. O que não seria um problema, uma vez que alternar movimento e repouso faz parte do nosso desenvolvimento. Mas, pelo que tudo indica, resolvemos deixar de lado essa alternância. Fazer isso é assumir que, não importa o que aconteça, movimentos aleatórios ou repousos irresponsáveis permanecerão inalterados. Em que momento perdemos a capacidade de reação?

A única escolha que me parece clara neste momento, é a decisão coletiva pela omissão. Não quero saber! Problema seu! Isso não me afeta! Foda-se! Dê seu jeito! Faça de novo! Dane-se… Não importa qual é a expressão utilizada e, sim, o que ela significa. Pensar no próprio umbigo o tempo todo, exclui a beleza da partilha e a importância da coletividade. E isso pode ser um caminho sem volta…

É bom ficar atento, pois, não se interessar pelo o que acontece a um semelhante, pode desenvolver uma insensibilidade crônica, um descompromisso leviano e um cinismo insuportável que deixam uma mensagem muito clara: toda forma de indiferença que aplicamos ao outro, será devidamente retribuída na mesma velha e conhecida moeda.