É permitido resistir

Resistência. Que sensação é essa que se estabelece em nós e que é capaz de nos forçar a seguir em frente, mesmo quando não temos forças para dar um passo sequer? Que sensação é essa que nos faz ignorar todas as adversidades, continuar caminhado e acreditando em mudanças, novas possibilidades e vitórias? Não sei dizer, mas uma coisa é certa, sempre será permitido resistir.

Resistir é, possivelmente, uma daquelas ações sobre as quais temos pouco ou nenhum controle, a partir do momento em que sucumbimos a ela. Sim, a resistência é tão arrebatadora quanto um tsunami que chega sem aviso e sem limites. E por uma razão muito simples. Resistir é o efeito colateral da insatisfação. Uma vez que conseguimos perceber que algo nos incomoda, reagimos. Com intensidades diferentes, é claro, mas é difícil se manter alheio a algo que nos perturba.

Seguindo as leis da física, toda ação gera uma reação contrária e na mesma intensidade… Porém, isso nem sempre se aplica ao nosso dia a dia. Amadurecemos e com isso, criamos uma certa tolerância as ações que sofremos ao longo da vida. Há aqueles que respondem prontamente a todo e qualquer sinal de incômodo e que não guardam desaforos para depois. Mas também existem os que não respondem prontamente e que guardam seus incômodos para outra hora. E  há, ainda, aqueles que simplesmente não reagem quando confrontados por algo que os desestabiliza. O que é uma pena…

A natureza nos forjou para reagir a tudo que nos cerca. Reagimos ao medo, ao prazer, a dor, a fome ou a sede. Mas a vida moderna nos bombardeia com uma quantidade tão grande de desafios, sufocando a todos de tal forma, que torna-se difícil estar pronto para a guerra o tempo todo. Dessa forma, vamos priorizando as batalhas que podem ser vencidas e acumulamos, sem perceber, espinhos que incomodam pouco inicialmente, mas que, com o tempo, tornam-se grandes fontes de dor.

É obvio que não é nada fácil reagir a tudo e a todo instante, mas não podemos abrir mão da nossa capacidade de reação. É ela que nos dá a real medida de onde podemos chegar. É ela que nos diz que não devemos desistir do que se quer, ao primeiro sinal de dificuldade. A resistência sempre abre novas passagens por caminhos bastante estreitos e difíceis. Mas vale o sacrifício, apesar dos contratempos.

Mesmo tendo a certeza de que na prática, resistir nem sempre é tão simples, é preciso estar disposto. Situações estabelecidas só podem ser mudadas a partir da nossa vontade, ou seja, para transformar, é preciso resistir. Mas, infelizmente, a nossa capacidade de reação vai se diluindo à medida que o tempo passa e nos torna mais tolerantes a toda sorte de incômodos. Criando uma razão inversa e proporcional onde, quanto maior a nossa tolerância, menor o nosso instinto de resistência.

Isso cria uma atmosfera de acomodação que impede a tomada de decisões que podem transformar os nossos rumos. E, para além disso, esta inércia cria uma casta de pessoas que perdem, progressivamente, a sua capacidade de escolha. Não expressar descontentamento com aquilo que nos lesa, nos torna cúmplices da nossa própria infelicidade. É bom ter em mente que, todas as vezes que nos calamos, outro irá falar por nós.

Resistência é algo que se constrói ao longo da vida, a partir das experiências que nos põem à prova, seja de forma coletiva ou particular. Resistir é um exercício que melhoramos com a prática. Por isso, todas as vezes em que for preciso escolher entre seu bem estar e algo que lhe incomoda, apenas para não se indispor, resista. A nossa capacidade de resistir é o que nos representa no mundo. A nossa capacidade de resistir é o que nos faz chegar mais longe. Sobreviver sempre foi e sempre será, um ato de resistência.

 

Recortes de felicidade

Vivemos um momento muito curioso, onde a realidade parece ter se partido em muitos fragmentos e, cada um deles, reflete uma imagem da mesma história. Algumas mais agradáveis, outras nem tanto. Mas o que chama atenção, é a quantidade de momentos incríveis que fazemos questão de divulgar à exaustão como se, de alguma forma, isso fosse capaz de neutralizar as partes ordinárias do nosso dia a dia.

Todo mundo já percebeu isso em algum momento e já abordei isso em outros textos, mas impressiona o volume de realidades alternativas que encontramos a todo instante. Parece que estamos caminhando a passos largos para uma espécie de “matrix” onde projetamos vidas perfeitas, que serão admiradas e invejadas. À medida que o tempo passa e vamos nos acostumando a esse comportamento, passamos a esconder o que é real e comum a todos nós: nossa humanidade.

É ela que nos dá a exata medida do que somos. Criaturas que reagem ao meio onde vivem das mais diferentes formas e intensidades. Criando um comportamento tão complexo que não pode ser, de maneira alguma, resumido a postagens solares, sorridentes e editadas. Somos muito mais que isso. Há beleza na lágrima, há importância no medo e aprendizado na dor. Não se pode ignorar ou reprimir facetas tão essenciais, que ajudam a entender que a vida é feita a partir de um todo e, jamais, de recortes de felicidade.

A cada dia, a socialização virtual cria um novo movimento que atua como uma força da natureza, completamente fora de controle. O que nos leva a perseguir modelos inatingíveis, felicidades escancaradas e fórmulas prontas que só existem no mundo virtual. Estamos, pouco a pouco, abrindo mão dos detalhes que nos tornam únicos, para abraçar formatos padronizados onde todos são tão estranhamente semelhantes, que é quase impossível identificar quem é quem.

São muitos os pontos que levam a esse erro de avaliação e que nos dizem o tempo todo, que devemos ser iguais, apesar das diferenças. Mas o que salta aos olhos de forma quase agressiva, é a obrigação de expressar uma felicidade desmedida. De uma hora para outra, todos resolveram publicar fotos que traduzem momentos únicos, repletos de uma alegria especial, reservada a todos aqueles que acreditam no ideal da vida perfeita. Mesmo que isso não passe de faz de conta.

Estar feliz demais em situações onde a grande maioria não vê felicidade alguma, além de forçar uma barra, pode causar impressões absolutamente impossíveis de reproduzir. Que fique claro que esta não é uma crítica ao bem viver, ao contrário. Mas, a superexposição de uma vida absolutamente feliz é preocupante sim, uma vez que pode sufocar sentimentos e anular desejos. Quem nunca exagerou no sorriso para uma selfie perfeita na praia para, no instante seguinte, desmanchar a alegria e constatar que gostaria de estar em qualquer lugar longe dali? Esta é a grande questão. Até que ponto devemos suprimir o que, de fato, sentimos, para expor uma perfeição irreal e perversa?

Entender de que formas essa nova forma de viver irá nos afetar, só o tempo dirá, mas é possível não sucumbir completamente as maravilhas da felicidade obrigatória. Como? Valorizando todas as outras experiências. A vida real está longe de ser feita apenas por momentos felizes. Altos e baixos farão parte da jornada o tempo todo. Por isso fique atento aos sinais e não se sinta menos feliz só porque outros demonstram explosões de felicidade. Essas expressões podem conter altas doses de infelicidade.

Hoje é carnaval

Folia. Muitas são as definições relacionadas e essa palavra, mas me chamou a atenção aquela que diz que a folia é uma antiga dança portuguesa, bem animada, acompanhada por cantos e pandeiros e executada por homens vestidos de mulher. Isso ajuda a entender muitas coisas.

Ah, o carnaval! Época esperada por muitos, tolerada por uns e execrada por outros tantos. Independente do seu amor ou ódio pelos dias de folia, é inegável a transformação coletiva observada ao longo destes quatro dias e não se engane, mesmo que não seja um folião profissional, seus hábitos e certezas sempre mudarão durante as festas de momo.

Mas, se você é um folião inveterado, daqueles que programam com antecedência para onde ir, o que fazer e quais serão as fantasias da vez, este é, sem dúvidas, o melhor momento do ano. É hora de festejar e colocar para fora angústias e frustrações como se o mundo tivesse uma data de validade de apenas quatro dias… Isso pode ser bem perigoso.

Quais serão os motivos que nos levam a reprimir desejos e vontades por tanto tempo? Provavelmente não teremos uma resposta elaborada capaz de atender a essa pergunta, mas seguimos acompanhados de uma certeza: O carnaval vai chegar! E vai trazer as chaves que libertam todas as feras que deixamos adormecidas por meses em nossas caixas de pandora e que, apenas agora, liberamos seu acesso ao mundo, sem maiores restrições, ou quase isso.

Há quem diga que é um período de excessos. Não discordo. Tudo no carnaval é superlativo. Brincamos demais, bebemos demais, amamos repetidas vezes e experimentamos uma felicidade em estado bruto, livre das amarras morais que o cotidiano nos impõe.

Isto significa dizer que estamos livres para explodir toda a irresponsabilidade e inconsequência que mora em nós, durante a folia? Longe disso. Diversão é um ritmo que necessita de parceiros para que a dança seja bem executada e errar o passo, pode, quase sempre, pôr a perder toda a expectativa de felicidade, acalentada por meses a fio. Exageros podem, infelizmente, levar a excessos que destoam do espírito da festa.

Para muitos, o carnaval serve como refúgio silencioso, mas isso não é menos transformador. Mesmo que a escolha seja ficar em casa assistindo aos festejos pela televisão, algum sentimento será despertado pelas imagens que são vistas. A admiração pela beleza das fantasias, a alegria provocada pela irreverência dos foliões ou a vergonha alheia causada pela falta de figurino de alguns. Não importa o que se sente, mas como se sente. Os dias de folia chegam, alteram a nossa rotina e podem nos presentear com prazer e cansaço ou com reflexão e relaxamento, afinal, poucas datas são tão democráticas quanto a festa pagã.

O carnaval estará sempre presente nossas vidas. Para muitos, essa data traz liberdade para ser quem se é de verdade e permite que sejam retiradas as pesadas máscaras que carregam o ano todo, deixando à mostra suas alegorias reais, sem adereços. É por isso que, para muitas pessoas, as fantasias escolhidas para o carnaval são, de fato, as suas verdadeiras personas.

O carnaval existe para ser apreciado por todos os nossos sentidos, o que não significa que não devemos refletir sobre todas ilusões e armadilhas que ele nos oferece e, acima de tudo, não podemos ignorar os efeitos que todos nós, em algum grau, sentimos diante deste impressionante espetáculo.

As fantasias podem nos revelar, esconder ou projetar quem gostaríamos de ser. Isso é compartilhado por milhões de pessoas durante frenéticos quatro dias. Talvez esteja aí a grande força desta festa. Todos unidos pelo desejo de mostrar ao mundo, aquilo que mantém escondido e que poucos conhecem e, à medida que todos dividem o mesmo sonho, não há julgamento, não há culpa. Há folia! Bom carnaval a todos!

Livre, leve e solto

Estar livre, leve e solto, é algo muito desejado, mas que, infelizmente, nem sempre é possível. Em outras palavras, queremos uma sensação de liberdade onde nada mais importa, além da nossa própria vontade. Mas se, em tese, não vivemos escravizados, por que, então, buscamos algo que já temos? É neste ponto em que somos obrigados a encarar uma das verdades que regem, especialmente, a vida adulta: não somos senhores absolutos de nós mesmos. Por mais que se acredite no contrário…

A vida segue um ritmo próprio e nós somos tragados por esse fluxo. E, para não nos perdermos no meio da caminhada, lançamos linhas imaginárias que nos ajudam a construir referências e criar vínculos. Dessa forma, ao mesmo tempo em que as linhas ajudam a criar identidade, também nos envolvem e, ora servem como guias, ora servem como âncoras.

É evidente que não conseguimos perceber esse emaranhado imaginário, mas fatalmente sentiremos seus efeitos em algum momento. Especialmente quando pretendemos tomar decisões ou mudar perspectivas, mas sentimos que algo nos prende ou impede que sigamos novos desafios. Essa dificuldade em se movimentar para onde se deseja, é o que nos dá a medida do quanto podemos estar presos aos nossos próprios laços. E como estabelecemos limites que nos impedem de ir aonde bem entendermos, mesmo estando aparentemente livres.

A conquista de um emprego, relacionamentos, filhos, amigos e todas essas conquistas pessoais e que são comuns a imensa maioria de nós, criam os tais vínculos que tanto buscamos e, na mesma medida, diminuem a amplitude dos nossos movimentos quando pensamos em nos jogar em novas aventuras solo. Reparem que atar-se ao que quer que seja, não é ruim. É apenas um dos sinais de que, ao longo da vida, nos comprometemos com nossas escolhas. Isso, sim, nos acompanhará sempre e para sempre.

Então, seria correto dizer que a tal liberdade só está disponível para aqueles que não se comprometem? Não. Mas estes, certamente, levam uma certa vantagem. A grande questão não está relacionada ao número de vínculos que formamos e, sim, a ideia de que somos livres para fazermos o que quisermos, quando bem entendermos. Você pode até acreditar nisso, mas, em algum momento, verá que romper seus laços não será simples como dizem por aí.

Reparem que não estamos falando de um problema, mas sim, da percepção dos nossos limites e da noção que carregamos sobre o que é liberdade. Ser livre é, antes de tudo, uma atitude interna, que não depende de nada além da nossa vontade. E isso é transformador, uma vez que esse sentimento é capaz de promover mudanças tão profundas, que podem alterar rumos aparentemente inalteráveis, independente do novelo de linhas que nos envolve.

A liberdade que buscamos não está no outro e não está no descompromisso. A leveza do ser livre ultrapassa convenções. A leveza do ser livre independe das linhas que carregamos, dos vínculos que fazemos ou deixamos de fazer. Ser livre, leve e solto é perceber que a liberdade mora no que é simples, no que é fácil e naquilo que nos permite enxergar além dos frágeis nós que nos atam.